sexta-feira, 17 de abril de 2009

O Meu Triste Segredo, de Jenny Tomlin


Só a força do amor e da união entre Jenny e os irmãos permitiu que esta fosse uma história de esperança e triunfo.

Não sou um leitor de biografias. Não porque não goste, gosto de ler de vez em quando, mas não costumo comprar livros biográficos, sou pessoa de romances!

Contudo, há um ou outro volume que nos impressionam. Este foi um deles.

Não é uma obra-prima, de longe tal coisa! Aliás, a escrita é bastante simples, e são 200 páginas que se lêem muito facilmente, é mesmo um page turner. No entanto, por a escrita ser tão simples nos dá mais prazer em ler. Facilmente nos toca sem precisar de floreados.

E a história é muito forte... Ok, vamos lá a ver: hoje em dia, não há nada mais comum do que a violência doméstica, infelizmente! Por isso, se olhasse para este livro, a primeira coisa que iria pensar seria "Já estou farto de ouvir falar sobre isso...". Porque é verdade, haverá algo mais falado do que a violência? Tirando trivialidades e momentos do dia, não me parece.
Porém, fiquei bastante impressionado. Não estava à espera de encontrar uma narrativa tão leve para esta história. Através de uma escrita muito simples, Jenny Tomlin conta-nos a sua história de infância, que ao princípio poderá já parecer um cliché (quem não está farto de ouvir falar sobre crianças maltratadas, quantas histórias destas não existem?), mas rapidamente nos sentimos familiarizados com as personagens, e odiando o Papá que faz coisas que não são de um Pai: são de um monstro.

Por detrás de portas fechadas, estas coisas acontecem. E deviam ter vergonha!! Só os sonhos conseguem salvar estas crianças desesperadas de actos tão terríveis... Acredito que actualmente as crianças sejam tratadas com mais cuidado, mas é horrível imaginar que ainda existem casos assim.

Embora tenha adorado ler o livro, tenho de confessar que a partir de certa altura torna-se demasiado banal. Tem uma carga bastante tocante no que diz respeito aos abusos, mas mais tarde, devido ao rumo que a vida de Jenny leva, passamos a ver a história com outros olhos. Talvez seja o facto de se tornar adolescente (a partir daí a sua vida muda bastante), mas há que ter em atenção que esta é a história de uma pessoa normal que perdeu a sua infância. Isso é desastroso, mesmo que o resto da sua vida seja feliz.
Enfim, olhem que há por aí muitas biografias que não têm nada para dizer, e esta pelo menos tem alguma coisa de louvar!
(engraçado, não posso dizer que admire a autora, já que a meu ver o seguimento da sua história foi simples e nada que ela tenha influenciado particularmente... Não é com as personagens que nos admiramos, mas sim com o seu sofrimento, percebem?)

Aconselho! Muito, muito fácil de ler; uma história que nos toca rapidamente; por alto é uma história de uma vida até bastante banal, mas bem fundo temos um triste segredo que faz-nos crer que a vida não é um mar de rosas (neste caso, isso é levado ao extremo, sem dúvida!)... É até bastante normal, não fosse retratar a infância miserável da criança. É uma história de esperança, mas retrata um sofrimento muito penoso... Para quem busca neste tipo de livros uma escrita mais forte, neste caso isso não acontece: é apenas uma menina pequena a falar da sua horrível experiência e dos seus sonhos de triunfo. Um livro que nunca vos aborrecerá, e que talvez vos emocione, de tal modo que poderão olhar para a vida de uma maneira diferente. Lutem por vocês e sejam assim felizes, este é o meu alegre segredo.

9 comentários:

Lili disse...

Obrigada por mais essa indicação, mais que anotada :)
Abs
Lili

Borboleta disse...

As únicas biografias que li foram sobre vidas de compositores. E sim, a violência é algo terrível e que está bem à vista, e no entanto escondido. Histórias como essa que leste devem ser comuns, mas não menos tocantes por isso.
beijinho*

t i a g o . disse...

Então acho que vou seguir o teu alegre conselho, ou pelo olhar para este triste segredo com mais atenção. :)

Tiago

Ana Carolina disse...

Eu acredito que um livro pode mudar uma pessoa.

Canochinha disse...

Eu gosto de biografias, apesar de não ler tantas como gostaria. Acredito que este relato seja forte e tocante, mas tenho alguns problemas em ler livros que tratem de abusos a crianças. Gosto demasiado delas para me sentir forte o suficiente para ler uma coisa destas. Eu sei que estas coisas existem e são uma realidade, mas prefiro passar-lhes ao lado ;)

Juliana disse...

Eu adorei este livro , e adoro este tipo de biografias, porque falos da vida distante.

Pedro disse...

Lili,
;) para isso cá se anda! =P

Borboleta,
sim, eu acredito que este tipo de histórias acontece... O livro tocou-me, tocou-me sinceramente, a autora teve os seus olhos de criança para narrar uma infância tremenda. Impressionante.

Tiago,
vale a pena...

Ana carolina,
também eu! Quer dizer, eu acredito. Eu acredito na mudança e no inesperado...

Canochinha,
este livro consegue ser muito, muito tocante, porque a infância destas crianças não é nada fácil. Mas acho que vale sinceramente a pena.

Juliana,
=) uma boa perspectiva... A história de vidas distantes.

Um grande abraço

Anónimo disse...

Eu já li o livro ha algum tempo, e apesar de so ter 14 anos, sou uma grande fã de biografias... Queria saber se algume me podia relatar o desenlace, pois é a unica parte que não me lembro, e precisava mesmo de saber pois tenho um trabalho para fazer e já nao possui o livro!

Pedro disse...

No final ela torna-se uma adolescente normal, apesar da sua infância atribulada consegue criar uma vida social muito independente. Aliás, o final quebra um bocado o relato da história, a meu ver, pois não há um grande auge a assinalar. Depois do que o pai lhe impingiu, ela tornou-se uma rapariga bastante independente, arranjou uma vida e... Pronto.

Não tenho aqui o livro também, e não sei de pormenores. Mas fiquei com essa ideia do final.

Quem também lê