segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

A Melodia do Adeus, de Nicholas Sparks

Com apenas dezassete anos, Veronica Miller - ou "Ronnie", como é carinhosamente chamada - vê a sua vida virada do avesso quando o casamento dos pais chega ao fim e o pai se muda da cidade de Nova Iorque, onde vivem, para Wrightsville Beach, uma pequena cidade costeira na Carolina do Norte. Três anos não são suficientes para apaziguar o seu ressentimento, e quando passa um Verão na companhia do pai, Ronnie rejeita com rebeldia todas as tentativas de aproximação, ameaçando antecipar o seu regresso a Nova Iorque. Mas será na tranquilidade que envolve o correr dos dias em Wrightsville Beach que Ronnie irá descobrir a beleza do primeiro amor, quando conhece Will, e vai afrouxando, uma a uma, todas as suas defesas, deixando-se tomar por uma paixão irrefreável e de efeitos devastadores. Nicholas Sparks é, como sabemos, um mestre da moderna trama amorosa, e, em A Melodia do Adeus, usa de extrema sensibilidade para abordar a força e a vulnerabilidade que envolvem o primeiro encontro com o amor e o seu imenso poder para ferir… e curar.

Antes de mais... Peço desculpa por andar tão desaparecido.
Ultimamente, pelo que se pode dizer da minha vida fora destas andanças, as coisas andam a correr e roubam o tempo todo. Portanto, se tive 2 segundos para ler, para escrever alguma coisa, para visitar blogues ou fóruns... Esses 2 segundos desapareceram.
Mas creio que, de hoje em diante, vou ter uns dias de descanso, pelo que estou de volta, pode-se dizer!

E, ao voltar, trago uma opinião: o meu primeiro livro de Nicholas Sparks!

Gostei? Não gostei? Digamos que me emocionei com a história (sim, têm razão os restantes leitores, com Nicholas Sparks desde a primeira página que somos confrontados com uma história acompanhada com as suas lágrimas...). E adorei as personagens. Já a escrita de Sparks não é o meu estilo.

Este romance tem potencial. Este romance tem qualidade. Este romance tem personagens pelas quais nos apaixonamos em três tempos. Já percebi que essa é uma das qualidades do autor, e louvo-o por isso. Nem digo que a história seja o mais original possível (há histórias de amor bem mais vividas, bem mais entusiastas), mas não deixa de ser uma história que queremos acompanhar durante muito tempo.
Porque sentimo-nos bem ali dentro. Sentimo-nos bem naquela comunidade que Nicholas nos apresenta. Nem se torna cansativo nem nos põe de lado. Identificarmo-nos com as personagens e reflectirmos com elas é o objectivo deste livro. É estarmos ali.

Talvez por isso mesmo não tenha apreciado totalmente a escrita do autor. Este livro está feito para deixar o leitor à vontade: de uma maneira que faz com que a sua escrita perca um bocado a "qualidade" que muitos críticos não condenariam, caso contrário. Se a escrita de Sparks fosse mais profunda, menos ingénua, mais "literária", por assim dizer, eu teria apreciado este livro ao máximo. Reconheço, porém, que este é um gosto pessoal, mas que não deixarei de apontar como uma fraqueza neste livro. Embora a história seja encantadora e as personagens perfeitas, nunca a escrita atingiu níveis que um outro génio conseguiria, com as mesmas bases. É pena, porque a descrição perfeita neste mundo de "A Melodia do Adeus" tornaria este livro uma obra-prima.

Não achei imprevisível. Já suspeitava o que iria acontecer a Ronnie, ao seu pai, a Will... Mas se há coisa que desde sempre me invadiu foi "Ronnie e Will ficarão juntos?". Foi a única coisa do livro que achei imprevisível, porque este autor aproveita muitas vezes a tragicidade do momento para nos emocionar.
E, por isso mesmo... É um livro a considerar para ler. Foi o primeiro que li de Nicholas Sparks e estou com curiosidade por saber até que nível mantém os restantes romances.
Não se arrependerão, tenho a certeza. É o livro que vão querer para se emocionarem... Sem grandes obras. Não, nada disso. O tipo de livro para pegar quando queremos algo menos grandioso, mas que nos arranque alguns suspiros. Um bom livro, portanto, não obstante os vossos gostos pessoais. Consegue agarrar cada um.

6 comentários:

Iceman disse...

Admira-me teres gostado.

Eu tentei, juro que tentei. Ainda cheguei à pág. 180 mas aquilo não passava do mesmo e farto de lamechiches ando eu.

Desisti. É um género de livros que não consigo mesmo achar qualquer qualidade.

Carla Martins disse...

Tô namorando esse livro há séculos!!!!

Camilla disse...

Oi, sou do Brasil e estou querendo este livro, ninguém tem ele pra fazer download? Obrigada!

Pedro disse...

Iceman,
no que toca à lamechice... Hei, eu adorei "Crepúsculo"! Eu até que gosto de alguma lamechice... É por isso que eu digo que o que realmente me puxou pela leitura foi querer saber se no fim ficavam juntos ou não! Caso contrário, também me teria aborrecido.
Achei qualidade no que quer levantar, quer seja a relação entre pais e filhos como da pessoa que... Todos somos. Acho que é por isso que, de alguma forma, senti que em cada um encontrei uma característica que admirava acima de tudo.
O que eu não gostei foi mesmo, como disse, a escrita. E talvez nesse ponto nos toquemos. Achei a escrita de Sparks demasiado leviana. Não me atrai. Prefiro algo mais denso.

Carla Martins,
acho que vais gostar ;)

Camilla,
há uma data de sites com e-books grátis! Aconselho-te, por exemplo,
http://www.gutenberg.org/wiki/Main_Page
Este livro em específico... Não sei onde encontrar.

Boas leituras!

Noivinha Andie disse...

Também sou do Brail e louca por esse livro...

Se alguém souber onde posso baixar, ou alguma alma caridosa dai pudesse mandar para mim um livro (quero comprar)

Me avisa no email andressanovaes@gmail.com

beijos

Paula disse...

Estou louca por este livro também, mas não consigo achá-lo.
Se alguém souber onde encontrá-lo avise-me através do email: paula.ssoares7@gmail.com

Obrigada.
Beijos

Quem também lê