domingo, 8 de novembro de 2009

A Mecânica do Coração, de Mathias Malzieu

Edimburgo, 1874. Jack nasce no dia mais frio do mundo, com o coração… congelado. A Dr.ª Madeleine, a parteira (segundo alguns, uma bruxa) que o trouxe ao mundo, consegue salvar-lhe a vida instalando um mecanismo - um relógio de madeira - no seu peito, para ajudar a que o coração funcione. A prótese funciona e Jack sobrevive, mas com uma contrapartida: terá sempre de se proteger das sobrecargas emocionais. Nada de raiva e, sobretudo, nada de amor. A Dr.ª Madeleine, que o adopta e zela pelo seu mecanismo, avisa: «O amor é perigoso para o teu coraçãozinho.» Mas não há mecânica capaz de fazer frente à vida e, um dia, uma pequena cantora de rua arrebata o coração - o mecânico e o verdadeiro - de Jack. Disposto a tudo para a conquistar, Jack parte numa peregrinação sentimental até à Andaluzia, a terra natal da sua amada, onde encontrará as delícias do amor… e a sua crueldade. Um conto de fadas para adultos, ao estilo de Tim Burton ou Lewis Carroll.

Parti para a leitura deste livro com as expectativas mais do que elevadas: este ano li "A Loja dos Suicídios" e adorei, e era esse género de livro que esperava encontrar. Claro que o tema é totalmente diferente, mas o tipo de escrita, o estilo da história, em tudo surreal.

E creio que acertei.

Comecei a ler este livro e de logo fiquei impressionado com as personagens directas e belíssimas que nos são apresentadas! Para além do rapaz com o coração-relógio, temos a sua mãe adoptiva, uma parteira bruxa e que não se pode gabar muito da vida, um bêbado sem-abrigo com uma coluna de metal, duas prostitutas humildes, uma cantora com visão fraca...

Enfim, personagens apenas existentes numa lindíssima Edimburgo de 1874 (as descrições são tão belas, tão poéticas, que o que me deu mais pena foi não ter percorrido esta cidade).

É uma história em tudo surreal, em tudo encantadora. E não é um amor normal... Acho que a relação que se desenvolve entre Jack e a pequena cantora não é um conto de fadas, mas algo bastante sólido e específico. Não pode ser um amor normal, quando o rapaz pode morrer, literalmente, por amor...

A escrita de Malzieu é encantadora. Desde o início que sabemos que este conto nos vai iluminar, nos vai fazer suspirar um bocadinho. Escreve com tanta naturalidade... E a sua imaginação é única. A premissa do livro é magnífica e o seu desenvolvimento não me desiludiu de todo. Aliás, acho que tem o tamanho certo. Mais do que um livro para dar prazer, emociona-nos pelo sonho que é. E, como não podia deixar de ser, encontrei na improbabilidade das personagens, na surrealidade do enredo, pequenas lições de vida que nos deixam abismados, a reflectir...

Para concluir... Quando acabei este livro, não consegui pegar imediatamente noutro. Precisei de suspirar um pouco mais para além da última página. Um livro belíssimo, que como Le Soir bem disse, faz-nos querer comprar dezenas de exemplares para oferecer! Para reler.


6 comentários:

Rui Bastos disse...

Já tinha este livro debaixo d'olho, mas a tua opinião foi o empurrãozinho final!

zebra3 disse...

tenho uns premiozinhos no meu blog. boas leituras!!

Jojo disse...

Tou à espera que este livrnho chegue cá a casa para o ler.

Tens selinhos no meu blog!

Ana Carolina disse...

Estive hoje com este livro nas mãos. E só me apetecia comprar..então agora que li a tua crítica, é que me apetece mesmo.

Adoro esse tipo de livros.
Acho que vou mesmo arranjá-lo.

Pedro disse...

Rui Bastos,
adorei a história, é mesmo do tipo que me satisfaz!
Um pouco estranha, é verdade =P

zebra3,
muito obrigado, e peço desculpa pelo atraso na resposta! Hei-de reparar neles!

Jojo,
e já vi que adoraste também o livro! =D Ainda bem!

Ana Carolina,
vai valer a pena, a sério! E, se gostas deste tipo de livros, este vai deliciar-te.

Boas leituras.

Ana Carolina disse...

Vou fazer um post sobre este livro :) Apenas uma breve citação...vou no capítulo 3.

Quem também lê