domingo, 25 de outubro de 2009

As Atribulações de Jacques Bonhomme, de Telmo Marçal

"Não se lê propriamente o livro que têm em mãos, mas mergulha-se nele. Um parágrafo, uma página, e estamos cercados pela sua forma própria de ser, pela visão particular do mundo e da raça humana. Mergulhamos descontraidamente e logo percebemos a insensatez da nossa postura. Esta não é uma obra redentora. Não nos dá a mão e nos acompanha pelos becos escuros, pelo vale da nossa dor, qual guardião que protege a nossa fragilidade. Ao entrarmos na primeira página, descobrimo-nos na jaula da fera encurralada - e depois não podemos voltar atrás." Do prefácio de Luís Filipe Silva

Este prefácio não podia explicar melhor a sensação que este livro nos transmite.

Ainda assim, só lendo perceberão o que se quer dizer.

Trata-se de um conjunto de 12 contos muito únicos, o que torna Telmo Marçal um autor especial num género tão mal explorado em Portugal: a distopia.
São, porém, contos extremamente pessimistas. A sua visão da raça humana, da nossa sociedade, é tão opressiva que não podemos deixar de nos sentir sem saber o que fazer, perante uma perspectiva tão ameaçadora, tão feroz, tão sufocante.

Não posso deixar de aconselhar este livro, porque estamos perante algo especial na literatura nacional. Não encontramos com facilidade um autor que arrisque tanto!
Por outro lado... É um livro MUITO difícil de digerir. Quando digo muito, é mesmo muito. Talvez por ser demasiado pessimista... Talvez por apresentar uma raça humana tão opressiva, tão abafada.

Talvez por nos apercebermos que não há sentimento nestas páginas. Como o Homem não tem qualquer sentimento. Isso é o que torna o livro tão difícil.

Alturas houve em que o achei ligeiramente chato. Quando a fórmula atribulada e violenta já se repetia, conto atrás de conto. E alturas houve em que me via sinceramente impressionado pelo mundo que Marçal me apresentava, tão parecido com o nosso, e no entanto ainda distante.

Para além disso, há que referir: este livro não se desenvolve como qualquer outro. Vou tentar explicar: enquanto que, num livro normal, ser-nos-iam apresentadas personagens e o mundo onde vivem, a sua sociedade, e as suas "atribulações", neste livro estamos perante contos onde percorremos o caminho da personagem, chegamos ao fim e pensamos "É só isto?". Praticamente não temos a descrição de nada, apenas temos o dever de acompanhar os passos do personagem. Pode parecer insuficiente, sem qualquer história, mas a verdade é outra. Temos de ser suficientemente espertos para assimilar o mundo onde a personagem vive. É isso que faz "As Atribulações de Jacques Bonhomme". Não a descrição da sua sociedade, mas as atribulações de cada um nela. Se o que queremos é saber mais sobre o que o rodeia, temos de ser nós a assimilar os pormenores.

Há vários contos que poderiam ter sido, por tantas razões, mais desenvolvidos. Não foi o que aconteceu, mas esta "injecção" já bastou para me sentir suficientemente abismado.

Nunca, mas nunca, daria este livro a quem não é minimamente experiente. "Não é uma obra redentora". Não vale a pena pensarmos que estamos perante uma obra que nos vai ficar assombrados, chocados talvez, porque é totalmente diferente do que esperamos. É demasiadamente limitada, não conseguimos fugir à sua experiência.
Leiam com precaução. Com atenção. E leiam quando se sentirem capazes de tal.

4 comentários:

Rui Bastos disse...

WOW. Estou completamente estupefacto com a tua opinião! Um livro a ler, de certeza! O que mais espanta, é ser de um autor português! Definitivamente, na lista de compras xD

Ana disse...

Olá!

Passa pelo Livros, o meu vicio e ... surpresa!!!

Bjs!!!

Carla Martins disse...

Gosto de livros assim......acho que esse vai pra lista! Beijos!

Pedro disse...

Rui Bastos,
pois é, de um autor português, para louvar ;)

Ana,
oh, obrigado!!! ^^

Carla Martins,
se gostas de livros assim, acho que este é daqueles que te deixa bastante cheia =)

Boas leituras

Quem também lê