domingo, 30 de novembro de 2008

A Viagem do Elefante, de José Saramago


Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam.

O Livro dos Itinerários




Há uma mensagem neste livro: Saramago ainda escreve. E escreve com prazer. Assim como tive a oportunidade de ler esta pequena delícia.

O tema é bem leve. O livro é mais pequeno e fácil de ler. A interpretação, pode-se dizer, mais fácil. É mesmo um livro muito simples. Mas é nessa aparente simplicidade que Saramago nos presenteia com mais do que um romance, mas sim uma viagem.

Não há protagonistas, há apenas viajantes, e apenas a viagem. Mas são personagens que, para não variar na obra de Saramago, são demasiado excelentes para serem postas de parte. Venero a imaginação do autor para criar o ambiente e as personagens tão únicas e próprias. Fiquei espantado como, num livro tão pequeno, o autor desenvolveu as personagens para torná-las únicas.
Venero a capacidade do autor para se adaptar aos vários livros. É o mesmo Saramago, mas se escreve sobre a dúvida existencial então o estilo é completamente filosófico e denso, e noutro romance pode falar de um mistério inexplicável e o estilo torna-se místico, quase formidável, que faz o leitor embrenhar-se nas suas palavras; neste caso, "A Viagem do Elefante" é um tema leve, logo um estilo levado mais para a descontracção, mas momentos de leitura cativantes. Admiro a imaginação do autor e a genialidade com que escreve o livro.

Esta é a obra mais fácil que já li do senhor. Muito mais fácil, seja a prova disso o curto tempo (3 dias) que demorei a lê-lo. Mas Saramago é um dos meus escritores preferidos, isso é indiscutível. E nas suas palavras há sempre aquele lado mais subjectivo... E é daqueles autores que não se preocupa em chegar ao fim, apenas se preocupa em escrever, mesmo que isso o leve por outros caminhos.

O livro é muito (muitíssimo) marcado pela ironia e pelo sarcasmo, constantemente um ataque ao Homem e às suas acções. Ri com satisfação. Gostei muito da maneira do autor escrever, sem fazer parte da história mas como se lá estivesse para comentá-la. Serve de ponte entre o leitor e as personagens, o tempo de D. João III e a actualidade.

É uma viagem que nos deixa embalados. São participantes deveras fascinantes, pois como leitor a minha mente tende a imaginar o que cada um representa... As personagens do livro são livres mas há sempre algum aspecto que as torna globais.
Existe, nessa viagem, um olhar sobre as acções, sobre o mundo, sobre a humanidade (sim, a humanidade, não o Homem) que é muito explorado, principalmente através das referidas ironias. Há o elefante, há quem o acompanha, e há um olhar solidário sobre atitude humana. Uma vertente que apreciei muito no livro, esse olhar sobre a acção humana e a sua fé.

Este livro tem tudo para ser um bom regresso do autor, depois de um estado de saúde muito precário. Aconselho a todos. E, para quem não leu nada de Saramgo, eu diria que chegou a oportunidade!!!

10 comentários:

Célia M. disse...

Bem, que opinião tão positiva!
Mesmo assim, pelo menos no que me diz respeito, o Saramago ainda vai ter de esperar :)

Otário disse...

bem.. ainda bem que recomendas. já ouvi dizer que lá bom é ele... mas, de momento, penso ler o 'ensaio sobre a cegueira'. Qual dos dois me aconselhas?

Menphis disse...

É um excelente livro, sim senhor, e quando olhamos para a sua idade e pensamos na sua lucidez capaz de escrever livros assim, ficamos ainda mais satisfeitos. Logo na 1ª página, sorrimos e muito e estamos sempre de sorriso aberto quando lemos este maravilhoso livro.

pikenatonta disse...

Pronto, este é para ler!!!

Miar à chuva disse...

Esta tua boa opinião deu-me vontade de voltar a pegar num livro do Saramago.
Não que eu não gosto dos livros dele, apenas acho-os demasiado densos.
Aquela falta de vírgulas, pontos finais frequentes e parágrafos deixava-me um pouco "cansada" depois da leitura.
http://vidasdesfolhadas.blogspot.com/

Pedro disse...

Canochinha,
eu diria que não seria mal pensado leres este livro, o tempo gasto é pouco e vale bem a pena! É verdade que Saramago apresenta-se numa escrita demasiado leve, mas para quem nunca leu nada parece-me uma boa oportunidade ;)

Otário,
"Ensaio sobre a Cegueira" é bem melhor. Aconselho-te esse vivamente, é algo fenomenal!

Menphis,
é verdade, senti que o prazer que o escritor teve em escrever o livro foi transmitido ao leitor! Espero que não tenha chegado a sua reforma das letras...

Pikenatonta,
é mesmo para ler! ;)

Miar à chuva,
confesso que gosto sempre de ler um livro de Saramago, e por isso planeio apostar na sua obra de hoje em diante.
Este não é NADA denso, pelo que será uma boa opção =)
Não me sinto cansado pelo seu modo de escrever =) Não me faz espécime, e por vezes até me agrada, puxa-me a atenção.
;) Aconselho-te experimentar este novo livro, acho que vais gostar!

Um grande abraço

Menphis disse...

uma boa noticia, Saramago afirmou ontem que já está a trabalhar noutro livro.

Pedro disse...

Menphis,
que excelente notícia! Acho que até lá terei tempo para ler outros dele =) ("O Evangelho Segundo Jesus Cristo" já se encontra à espera!).

JPD disse...

Olá Pedro

Este livro do Saramago está na minha lista de compras.
Ou será uma prenda ou em Janeiro será adquirido.
Um abraço

Moura Aveirense disse...

Saramago é, de facto, um mestre!

Quem também lê