domingo, 4 de setembro de 2011

Dead to the World, de Charlaine Harris

 "An increasingly riotous series... Ms. Harris has never been in better form." - The Dallas Morning News

"Charlaine Harris continues her delightful Southern Vampire detective series." - The Denver Post

It's not every day that you come across a naked man on the side of the road. That's why cocktail waitress Sookie Stackhouse doesn't just drive on by. Turns out the poor thing hasn't a clue who he is, but Sookie does. It's Eric the vampire--but now he's a kinder, gentler Eric. And a scared Eric, because whoever took his memory now wants his life. Sookie's investigation into who and why leads straight into a dangerous battle among witches, vampires, and werewolves. But a greater danger could be to Sookie's heart--because this version of Eric is very difficult to resist...

"[A] frothy fusion of romance, mystery, and fantasy." - Publishers Weekly

"Nifty... As fans of Buffy the Vampire Slayer know, a sense of humor helps when dealing with the supernatural." - Orlando Sentinel

Wow.
Dispensa introduções. Este não é apenas o melhor livro da série até agora, é sozinho de tirar a respiração. Ler este livro foi uma experiência completamente fenomenal.


Até agora os livros têm aprofundado este mundo sobrenatural bastante bem. Chegamos ao quarto livro completamente inseridos nesta realidade alternativa, em que os vampiros não só existem como estão “fora do armário”, revelados ao mundo; um mundo onde existem todo o tipo de seres sobrenaturais, mesmo que alguns sejam difíceis de perceber. Metamorfos; bruxas; fadas; lobisomens. Aliás, cada vez mais Harris parece debruçar-se sobre as comunidades de metamorfos, pessoas capazes de se transformarem num certo animal (tal como os lobisomens, ainda que estes se coloquem num outro patamar).
Portanto, numa série normal, estando já tão familiarizados com a história e as suas personagens (como se fossem nossos vizinhos), só podemos esperar novas aventuras e mistérios, sem que as personagens em si se afastem muito da realidade de sempre.

Bem, aqui está o encanto da série. Neste livro somos seriamente surpreendidos: Eric, um vampiro bastante atraente e com uma personalidade algo egocêntrica fica amnésico; o irmão de Sookie desaparece. Harris continua a apostar num enredo com vários mistérios e várias linhas, sem se perder.
A princípio, este novo vampiro Eric, meigo, não foi do meu agrado… Sabem quando se cria aquela tensão entre duas personagens de personalidades fortes, mas no fundo sabemos que queremos vê-los juntos? Assim tem sido até agora (Club Dead foi bastante, bastante forte nesse ponto). Portanto, ver um vampiro tão meigo e “fácil”… Não parece ser a melhor maneira de ver duas personagens juntas.
A verdade é que cheguei ao fim do livro esperando que ele não recuperasse a memória. Não só porque este livro é talvez o mais excitante da série, com cenas sexuais altamente empolgantes, mas também porque nunca até agora presenciámos tanta emoção. Se até agora a acção dos livros me tem tirado a respiração, neste aqui não só é a acção mas também a emoção incutida. A emoção da luta, em que todas as personagens que até agora conhecemos se juntam para lutar contra as Bruxas; a emoção do casal, um amor pleno que não nos tinha sido oferecido até agora. Fiquei apaixonado.

Depois de ler este livro, só posso pedir que dêem uma oportunidade. É um livro muito bem escrito, inteligente, com bastantes personagens e cada uma cativante, com um enredo que não se perde e que só nos deixa largar o livro na última página. Até o facto da personagem principal não ter o mesmo namorado dos livros anteriores é uma lufada de ar fresco.

Eu queria, depois deste livro, ler algo fora da série, mas não consigo. Tenho de continuar. A paixão que fica deste livro é demasiado forte para não querermos continuar logo de seguida.  Não sei se é possível melhor do que isto, mas desde o primeiro livro que a série tem aumentado a fasquia. Sigo imediatamente para “Dead as a Doornail”, e espero bem que pegue no que foi dado agora.



P.S.: em Portugal, o livro está traduzido com o título "Sangue Oculto".

1 comentário:

Tchetcha disse...

Olá Pedro, leio o teu blog há algum tempo e nunca me tinha apercebido que andavas a ler a saga Sangue Fresco. Que bom que gostaste do Dead to the World, é sem dúvida um dos melhores. A saga tem altos e baixos interessantes e estou muito curiosa, ao fim de 3 anos a ser fã, de ver a saga como um todo, além de livro a livro. Não sei se já conheces ou não mas quando quiseres passa pelo blog http://sangue-fresco.blogs.sapo.pt/ que é um espaço onde os fãs dos livros e da série de TV trocam ideias e impressões!

Quem também lê