terça-feira, 14 de abril de 2009

A Guerra dos Mundos, de H. G. Wells


Então, bruscamente, os relâmpagos brancos do Raio da Morte aproximaram-se de mim. As casas desabavam como se se dissolvessem ao seu contacto, e dardejavam chamas; as árvores incendiavam-se com um rugido. O Raio varria o curso do reboque, lambendo as pessoas que corriam, e desceu até à água a menos de cinquenta metros de distância do local onde eu me encontrava. Rastejou sobre o rio em direcção a Shepperton e a água na sua esteira erguia-se numa chicotada fervente, coroada de vapor. Voltei-me para a margem. Tenho uma vaga memória do pé de um marciano, pisando o terreno a uns vinte metros da minha cabeça. Recordo-me também de um longo movimento de suspense e, depois, dos quatro marcianos que transportavam entre eles os restos do seu companheiro, ora claros, ora indistintos, através de um véu de fumo, recuando interminavelmente pela vasta extensão do rio e dos prados. E, depois, muito lentamente, compreendi que tinha escapado por milagre.

A Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, é não só uma das obras fundadoras da moderna ficção científica (juntamente com alguns outros livros do mesmo autor, e quase todos os romances de Jules Verne), como foi ainda o romance que Orson Welles utilizou para a genial criação radiofónica que lançou o pânico nos EUA, com multidões inteiras a convencerem-se de que os marcianos tinham de facto chegado à Terra.
Este livro pode ler-se como uma simples fantasia: a história de uma guerra com um final, ao menos temporariamente, feliz. Ou pode pensar-se no contexto em que foi escrita (1898), numa altura em que o Mundo Ocidental pressentia que uma boa parte do que tinha sempre tido por imutável e seguro estava de facto a chegar ao fim.
Em qualquer caso, e seja qual for a perspectiva do leitor,
A Guerra dos Mundos não deixará de ser por todos considerada como uma narrativa verdadeiramente apaixonante.

Uma coisa é verdade: A Guerra dos Mundos trata-se de um dos maiores pilares da Ficção-Científica, já que foi escrito primeiramente e apresenta perspectivas que atá hoje se mantêm! As histórias de seres vindos de outros planetas têm todas a ver com este livro, naves e armas super desenvolvidas já parecem clichés... Sem sombra de dúvida, este livro é um grande passo para toda a Ficção-Científica moderna.

Agora... Imaginem uma introdução. E depois imaginem um livro inteiro que faz parte do completo desenvolvimento da história!
Este livro soube-me a introdução. E toda a Ficção-Científica posterior a esta obra desenvolvimento.

Não deixo de sentir que foi apenas o guia para que todos os próximos escritores possam desenvolver intensivamente. Faltou intensidade e dinamismo a este livro. Ou melhor, ele é bastante dinâmico, já que a população nunca pára, todo o livro é a constante fuga dos humanos e combate aos marcianos. Mas por isso mesmo, faltaram alguns elementos na acção que hoje em dia já existem.

A chegada dos marcianos e o seu ataque é altamente interessante, a reacção dos humanos é altamente curiosa. Até que começa a verdadeira guerra, que começa por ser empolgante, mas que um pouco mais tarde cai na repetição. A primeira grande parte do livro cativa, até que tudo não passa da mesma cena... É sempre a mesma coisa! Os humanos a fugirem, destruição, os humanos a fugirem, destruição... Todo o livro trata, além da guerra, de um enorme e catastrófico êxodo, mas que cai um pouco no aborrecimento. Perdi o interesse em saber todas as terrinhas pelas quais passavam, sempre a verem as mesmas coisas, já chegava! Infelizmente, por isso o livro chega a perder algum entusiasmo.

Já na última parte da obra voltamos a ficar entusiasmados com uma torrente de teorias bastante profundas sobre nós e sobre os marcianos, a vários níveis (Biologia, Sociedade, etc, com grande influência darwinista!), e aí sim apercebemo-nos da genialidade do autor em não só criar uma visão fantástica dos marcianos como também inserir o próprio Homem no meio do Universo! Nestes livros procuro bastante teoria científica, mas nada de enfadonho! Aconselho a lerem, por exemplo, "Contacto" de Carl Sagan, que é para mim um dos melhores livros de ficção-científica, não só pelo óbvio enredo que é bastante aliciante mas também pelas teorias que são bastante fáceis de compreender, e que nos dão uma outra perspectiva do Universo.

Adorei ler este livro, todas as imagens são as esperadas. Só tenho pena que H. G. Wells não tenha nascido algumas décadas mais tarde, porque acredito que se assim fosse esta obra seria muito mais intensa e forte do que é!

Por fim... Não posso dizer que este tenha sido um dos maiores livros de ficção-científica que já li, porque não é, a meu ver, altamente delirante do princípio ao fim! Mas adorei conhecer o livro. É uma obra-prima dentro do género, e aconselho a todos aqueles que estão com vontade de explorar esta aventura entusiasmante... E de tentar compreender quem seremos nós neste Universo...

11 comentários:

Canochinha disse...

Eu já li este livro há um tempinho e lembro-me de ter gostado, mas não me impressionou por aí além. Acho que o facto de ter visto o filme (com o Tom Cruise) relativamente pouco tempo antes da leitura não ajudou, até porque há imensas diferenças. De qualquer forma, é uma leitura que vale a pena.

Pedro disse...

Já vi o filme, mas não me lembrei dele enquanto li o livro. Tirando isso, parece-me que temos exactamente a mesma opinião! Também acho que valha a pena ler, mas como disse não me chegou a impressionar como seria de esperar de um livro desta magnitude... No entanto, não posso esconder que fiquei fascinado em encontrar-me "cara a cara" com estes extraterrestres.

Acredito que o livro é como que a frase que dá início ao grande texto que hoje os livros de Ficção-Científica escrevem. Em "A Guerra dos Mundos" conhecemos os marcianos, e também temos o primeiro vislumbre do que poderá ser o Universo... E o Homem nele inserido. As obras que seguiram é que vêm, essas sim, aprofundar essa descoberta... Se H. G. Wells pudesse ser ressuscitado, adoraria ler "A Guerra dos Mundos" reescrito actualmente, acho que a obra seria bastante mais cativante! (ou seja, acaba por ser de admirar que Wells tenha tido a mente que teve para, naquela época, escrever este livro!)

Argos disse...

Confesso que não sou muito amante deste tipo de leitura mas li “ A Guerra dos mundos”, exactamente pelo motivo que tu focas: O pioneirismo.
A quando da sua edição, “ A Guerra dos mundos” foi considerada uma obra “perigosa”, hoje é considerada uma sátira ao progresso!
Quanto ao filme…não vi. Pode ser “mania” minha mas depois de ler um livro não gosto de ver o filme!
O contrário já costumo fazer!

Ana Carolina disse...

Eu já vi o filme e só me lembro que adorei e que entrou na lista dos meus favoritos =)

Francisco Norega disse...

Curioso - acabei de ver o filme há uns dias! :P

Gostei e gostava também de ler o livro. É só chegar a oportunidade, já o tenho cá em casa! :D

Até porque também li um dos "Clássicos" dele - A Máquina do Tempo - e adorei. Não é nenhuma obra prima da literatura universal, não (até porque como tu dizes e eu tenho vindo a dizer, temos de analisar as obras à luz da época :P), mas é uma excelente obra de reflexão sobre a humanidade, e a experiência de ler aquela escrita... única é fantástica. :D

Pedro disse...

Argos,
gosto de ficção-científica, mas não é um género no qual aposte... E se o fizer é com algum cuidado, gosto de ler "A Guerra dos Mundos" e "Contacto" mas não aprecio "A Guerra das Estrelas", por exemplo, tentei ler uma vez o livro emprestado mas não achei graça.
Não sabia que a obra era considerada "perigosa" na época em que foi publicada! Interessante... Tenho de voltar a ler o livro ainda com outros olhos...
Eu vejo sempre os filmes por curiosidade. Vi o filme antes de ler o livro, neste caso, mas por serem bastante diferentes (a nível de enredo, dadas as épocas e o espaço da acção) nem sequer os liguei.

Ana Carolina,
o livro é bastante diferente do filme, o livro passa-se em Londres e no fim do século XIX, enquanto que o filme se passa nos EUA no séc. XIX! Têm algumas semelhanças, muito específicas, no decorrer do enredo, mas parece-me que o filme é bastante mais mexido (sempre tem alguma acção, o livro para além da acção da guerra e da fuga não tem mais nada, é simplesmente a descrição detalhada dos humanos a fugirem). Aconselho, porém, e acho que se gostaste tanto do filme a curiosidade para com o livro deverá ser razoável!
Talvez o filme venha ser uma adaptação aos nossos tempos que eu queria que H. G. Wells escrevesse! Acho que só faltou a teoria científica... =P

Francisco Norega,
como disse à Ana, é diferente do filme, com algumas semelhanças pontuais mas diferente ;) Acho que deves ler, para matar a curiosidade e visto que até é o teu tipo de livro!
Dele apenas li "A Ilha do Dr. Moreau" e gostei... Confesso que já não me lembro muito bem de tudo desse livro, mas uma coisa é certa: H. G. Wells foi um pioneiro no género, e tudo o que hoje lemos e pensamos que já é previsível neste tipo de livros começou com Wells!
Nunca li "A Máquina do Tempo", mas a curiosidade também me apanha! Os seus livros nunca se parecem centrar nas personagens, mas sim num fio direito do enredo... Acho que todos queríamos que H. G. Wells fosse vivo hoje, porque nesse caso se reescrevesse as suas obras seriam bastante mais detalhadas e excitantes (na minha opinião, dado o conhecimento que hoje temos aliado com as histórias que Wells criou já na sua altura, algo vanguardista!).
"A Guerra dos Mundos" não foi único e fantástico, mas foi uma obra prima dentro do género que ansiava por ler, e gostei! Supreendeu-me comprovar que H. G. Wells era mesmo um génio da Ficção-Científica na altura! E, como referes, também "A Guerra dos Mundos" possui uma excelente reflexão sobre a Humanidade, e quem somos nós neste enorme Universo (digo cá entre nós: isso foi o mais interessante de todo o livro e só por isso vale a pena ler!!! Adorei a maneira como somos obrigados a ver a Humanidade, faz com que todo o livro seja uma mensagem a dar atenção!).

Um grande abraço

Livros de Bia disse...

Confesso que não gostei do filme.
Não sei se é porque o Tom Cruise não me agrada muito ou pelo fato de que eu simplesmente não sou fã de E.T.s.

Acho que seria interessante ler o livro, por ser um marco, como você mesmo disse.
Quem sabe, não é mesmo?

Bjs

Pedro disse...

Completamente ;)

O filme foi bom... Não foi o meu preferido, mas pensava que estava pior.
De qualquer maneira, não me marcou e passou xP Tenho de voltar a ver, talvez com outros olhos!

De qualquer maneira, a mensagem do livro é bastante diferente. Espero que gostes, se chegares a ler!

Otário disse...

Tens um desafio no meu espaço!
;)

Borboleta disse...

Do Carl Sagan apenas conhecia o "Cosmos", uma espécie de conjunto de documentários sobre o Universo. Super interessante! Quanto à "Guerra dos Mundos", confesso que não vi o filme nem li o livro. Mas fiquei interessada =) beijinho*

Pedro disse...

Otário,
são tantos desafios que entretanto deixo-os passar =(

Borboleta,
Pessoalmente, gostei mais da ficção-científica de Carl Sagan. "A Guerra dos Mundos" é um clássico, que actualmente poderá estar muito mais desenvolvido!

Quem também lê