quinta-feira, 7 de agosto de 2008

A Anatomia do Segredo, de Leslie Silbert


"Uma leitura absorvente e impressionante, com um ritmo envolvente e engenhoso."
-David Liss, autor de A Conspiração de Papel

Inglaterra 1593:
Três semanas antes da sua enigmática morte, o famoso e sedutor Christopher Marlowe goza um enorme sucesso como dramaturgo. Rival de Shakespeare e espião ao serviço da Rainha da Inglaterra, Marlowe conhece o submundo de Londres como a palma das próprias mãos.

Nova Iorque, actualidade:
Kate Morgan, uma jovem licenciada em história da arte, trabalha como detective numa agência privada com ligações à CIA. A hábil e encantadora Kate é contratada pelo jovem milionário Medina para desvendar o mistério de um tomo escrito há mais de 400 anos que tem em seu poder. Na busca de uma perigosa verdade, ela envolve-se numa intriga que a leva dos Estados Unidos à Inglaterra, dos desertos da Tunísia a uma Itália deslumbrante.

E quando as páginas amareladas começam a desvendar os seus segredos... o que esconderá este manuscrito? O que fará com que séculos mais tarde ainda leve alguém a matar?


"Uma história inesquecível de espionagem com um jogo político que atravessa as barreiras do tempo."
-Gayle Lynds



Nunca pensei vir a ler este livro tão cedo, mas como fazia parte de uma promoção na Feira do Livro de Lisboa... E era o que apetecia agora, um livro de entretenimento.

Acho que toda a gente conhece o estilo de literatura deste livro, tipo "O Código Da Vinci". Este é mais um livro desse género.
Um livro de entretenimento.

Mas acho que esperava que fosse pior... Fiquei muito surpreendido com a leitura.

Esperava algo mais superficial, e a minha leitura não foi tanto assim. As personagens são interessantes mas, de facto, não há grande desenvolvimento quanto a si próprias. Mas a história deste livro tem algum potencial.

Uma coisa que adorei ao ler foi que mistura o romance histórico com a actualidade. É um thriller de espionagem que envolve alguns esquemas secretos e que poderão afectar o futuro.
Marlowe, um dramaturgo hoje famoso, foi espião ao serviço de Inglaterra mas este livro debruça-se sobre as suas últimas missões, antes da sua morte misteriosa. Essas missões não só vão afectar o futuro como podem ser perigosas para alguns...

Já na actualidade, Kate é uma espia contratada para descodificar um manuscrito que vai ser uma ponte para a época isabelina (referente à Rainha Isabel I de Inglaterra). Que segredos? E quem está disposto a matar? E porquê? Estas perguntas tornam o livro engenhoso e cativante. Kate também está a trabalhar num caso de contrabando de arte, com intenções desconhecidas...

É uma escrita muito acessível e fluída, que se lê em pouco tempo. Fiquei deveras impressionado com a obra, estava à espera de algo menos inteligente. Por isso, acabei o livro deliciado. Como é comum quando leio estes livros, tenho sempre de mentalizar muito bem as personagens, pois quando algum pormenor aparece o leitor tenta sempre ligar os factos!

Repara-se nos paralelismos entre as duas épocas e as suas personagens. O facto de também se tratar de um romance histórico deliciou-me, e o suspense é o habitual neste tipo de livros.
Só houve uma coisa que não gostei, e como é no final não contarei. Mas acho que esse elemento poderia ter sido melhor aproveitado, e o estratagema foi em parte rebuscado... Mas lá se foi justificando, e fiquei um pouco ludibriado (mesmo assim, fez com que eu ficasse assim =/). De resto, fiquei bastante impressionado.

Aconselho para quem procura um thriller, suspense, mistério e um livro engenhoso, assim como histórico, resumindo um bom livro de entretenimento e não demasiado óbvio. Estou tão impressionado com o livro em parte porque esperava mais superficialidade da obra. É por isso que tenho algum entusiasmo pelo livro, porque tinha as expectativas baixas.

(tenho ainda a apontar uma coisa, e que não tem nada a ver com a história: pela primeira vez a editora Saída de Emergência desilude-me com um livro em que por vezes a pontuação está trocada (ou mesmo inexistente) e aparecem maiúsculas onde não devem.)

11 comentários:

Beαtriz disse...

Estou impressionada. Pelo que dizes, até é um livro interessante. Ultimamente tenho ido muito à livraria (Bertrand), é lá que compro todos os meus livros e o livro nunca me "disse" nada, mas aparecia sempre à minha frente... impressionante. O.o
De qualquer das maneiras pela capa, pelo título e como estava ao lado do livro "O Segredo" pensei que fosse mais um de auto-ajuda.. por isso nunca me despertou muito a atenção... (não julgar os livros pela capa, ok) :P

Sofia disse...

Este livro sempre me deixou curiosa mas a ideia que tinha era a mesma que a tua antes de o leres: uma leitura mais descontraída. Agora confesso que fiquei um pouco mais interessada do que inicialmente, até porque tenho lido/ouvido outras opiniões favoráveis. Mas com tantos livros para ler e por ler... Quem sabe numa próxima promoção da SDE ;)

Pedro disse...

Beatriz,
eu compro os livros numa pequena livraria ao pé de casa, e é muito acolhedora.
O livro também nunca me chamou a atenção, e embora gostasse de ler sempre pensei que, se o fosse comprar, seria daqui a muito tempo... Mas acontece que na Feira do Livro de Lisboa fazia parte de uma promoção, e em menos de nada decidi experimentar este livro mais leve que outros. E gostei.
Nunca pensei que fosse como "O Segredo", mas é normal teres feito a comparação quando se encontrava ao lado deste. Já são tantos livros assim... -.-

Sofia,
não vou dizer que não é uma leitura mais calma que outros livros que puxam pela nossa concentração, mas realmente esperava que fosse mais superficial. Tinha as expectativas baixas...
Aconselho-te a comprar o livro, principalmente se for uma escolha de uma promoção! (foi assim que comprei o meu).

Beαtriz disse...

Ui, sinto.me com sorte de não ter uma livraria ao pé de casa, senão era a desgraça da minha carteira. :P E mesmo assim vou cerca de 2 vezes por semana a Santarém (moro em Fátima), onde fica a Bertrand a que vou e onde compro uns 2 ou 3 livros numa semana... :|
Mas sim, agora o livro despertou.me interesse. Ainda não comprei "A rapariga que roubava livros", está esgotado.. :(

Pedro disse...

Bem, como os meus pais controlam a compra de livros, passo pela livraria só para admirar as novidades *suspiro*... Mas quando estão bem dispostos lá compram alguma coisinha =) Acredita, 2-3 livros por semana seria uma revolução nas minhas compras.
É pena que "A Rapariga que Roubava Livros" esteja esgotado, porque tens de ler! Quando o apanhares não o deixes fugir ;)

Iceman disse...

Viva Pedro.

Li esse livro há pouco mais de um ano e não gostei, no entanto foi numa época onde li de enfiada vários livros desse estilo, pelo que admito que isso possa ter influenciado.

Pedro disse...

Iceman,
compreendo a tua situação, lembro-me que quando começou a febre de "O Código Da Vinci" a única coisa que lia era esse tipo de livros, até que chegou a um ponto em que comecei a detestar. Como já não lia algo do género à algum tempo, senti essa necessidade.
Talvez eu tenha gostado porque ia com as expectativas muito baixas...

anaaaatchim! disse...

Pois eu comprei esse livro mal saiu... numa visita casual à Bertrand, ele estava em destaque, e o título e a capa cativaram-me, então comprei-o logo.

Confesso que já não me recordo muito bem dele, excepto que gostei de o ler, e que achei alguns códigos demasiado fáceis de decifrar (estarei certa Pedro? Tu que tens a leitura mais "fresca" o que achaste?)

No geral a minha impressão foi bastante positiva, e é bem provavel que o leia novamente qualquer dia :)

marcia disse...

Tenho este livro para ler, já o coprei há algum tempo e depois nunca mais lhe peguei...agora aguçaste-me a curiosidade, devo pegar-lhe um dia destes...

PallasAthena disse...

Ola! Bem este foi um livro que me desiludiu bastante, esperava algo totalmente diferente, e concordo quando dizes que podia ter sido mais desenvolvido. Provavelmente a minha opinião tão negativa prende-se com o facto de na altura em que li este livro, tinha acabado de ler outros bem melhores.

Boas leituras ;)

Pallas Athena

Pedro disse...

PallasAthena,
como disse, o que esperava também não correspondeu ao que encontrei... Mas, no meu caso, o que encontrei foi bem mais do que esperava!
Tinha as expectativas tão baixas em relação ao livro que acabei por sair surpreendido ;)

O final para mim é que foi super mal aproveitado. O culpado tinha de ser aquele! Andei o livro inteiro a pedir para que não fosse, "será demasiado óbvio, demasiado habitual, já nem tem graça"... E não é que foi mesmo? Qual é a mania de os culpados acabarem por ser sempre os menos óbvios/mais próximos? Mas é que neste caso nem era o menos óbvio, era o segundo caso! Que mania?!
Para além de que a sua justificação foi a coisa mais rebuscada possível.

Mas, enfim, fora isso, gostei bastante da base histórica/actual do livro!

Quem também lê